28/03/2020
13:42:32
SinalTV - Canal MEO 500520
27-11-2014
Economia

Subida do desemprego é explicada por mais pessoas a procurar trabalho

Subida do desemprego é explicada por mais pessoas a procurar trabalho
A taxa de desemprego aumentou em Outubro para 13,4%. Mas não houve mais pessoas a perder o seu posto de trabalho.
A taxa de desemprego aumentou em Outubro para 13,4%. Mas não houve mais pessoas a perder o seu posto de trabalho. A ligeira degradação do número ficou a dever-se exclusivamente ao facto de haver mais potenciais trabalhadores a procurar activamente um emprego. Os dados foram revelados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Pela primeira vez, o INE revelou dados mensais do desemprego, inaugurando uma nova série de informação estatística. O número foi uma desilusão: depois de 20 meses consecutivos com o desemprego a baixar, Outubro apresentou o primeiro dado negativo.

A população desempregada aumentou 0,4% (o equivalente a mais três mil pessoas), para 688,3 mil. Contudo, a população empregada manteve-se inalterada, o que permite concluir que a ligeira degradação da taxa de desemprego (em uma décima) não se deveu a destruição líquida de postos de trabalho.

Terão sido antes pessoas que não procuravam trabalho nos meses anteriores - por serem estudantes, por exemplo - que começaram agora a tentar encontrar um emprego. É preciso procurar activamente um trabalho para ser considerado desempregado.

As estatísticas mensais do INE marcam também a exclusão de dados administrativos do processo de medição do desemprego. Até agora, o desemprego registado pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) era tido em conta pelo Eurostat nas estimativas mensais da evolução do mercado de trabalho.

Mas agora a nova metodologia do INE será adoptada também pelo gabinete de estatísticas europeu. O INE explica que nos últimos anos os dados do IEFP têm subavaliado consecutivamente o número de desempregados. O número revelado hoje será republicado amanhã pelo Eurostat, juntamente com a informação referente aos restantes Estados-membro da União Europeia.

Fonte: Económico

Outras notícias