19/05/2019
12:54:46
SinalTV - Canal MEO 500520
21-03-2014
Economia

Oposição diz que aumento dos descontos para a ADSE é um novo imposto

Oposição diz que aumento dos descontos para a ADSE é um novo imposto
Ministra das Finanças defende que o objectivo é garantir a auto-sustentabilidade dos sistemas e cumprir o défice.
Os deputados do PS, PCP e Bloco de Esquerda acusaram esta quinta-feira o Governo de estar a lançar um novo imposto sobre os funcionários públicos e pensionistas, ao insistir no aumento dos descontos para a ADSE, ADM e SAD, vetado pelo Presidente da República.

“É um imposto que afronta o veto do Presidente da República e que significa mais um saque aos trabalhadores e aos pensionistas”, atirou Mariana Aiveca, deputada do Bloco de Esquerda, durante o debate na generalidade da proposta de Lei do Governo que aumenta de 2,5% para 3,5% os descontos dos beneficiários para os subsistemas de saúde da função pública, militares e forças de segurança.

Também o PS, pela voz de Eduardo Cabrita, alertou que o objectivo da proposta de lei “é aprofundar o caminho de perseguição aos funcionários públicos e pensionistas, através de um imposto especial”.

“É incorrecto e abusivo dizer que se trata de um imposto”, respondeu a ministra. “Um imposto é por definição uma receita que é obtida e que não pode ser consignada, que se destina a utilização geral. Os montantes pagos pelos beneficiários não terão outra utilização que não sejam os subsistemas”, justificou.

Cecília Meireles, do CDS-PP, juntou outro argumento, lembrando que “um imposto não é opcional, é obrigatório”. “E no caso da ADSE as contribuições são opcionais e voluntárias”, disse referindo-se ao facto de, desde 2011, os beneficiários poderem desistir do sistema de forma irreversível. “No caso da SAD (forças de segurança) e da ADM (militares) só assim não é por vontade dos beneficiários”, acrescentou.

A oposição acusou o Executivo de desvalorizar o veto político do Presidente da República, “o primeiro a um diploma do Governo”, como lembrou o PS. Os poderes do PR são entendidos como “meros incidentes processuais”, acusou Eduardo Cabrita.

Maria Luís Albuquerque voltou a justificar que, embora vise garantir o cumprimento das metas do défice, o aumento dos descontos para os subsistemas de saúde tem como principal objectivo a sua auto-sustentabilidade, “que deve ser encarada numa perspectiva de médio e longo prazo”. Sem nunca quantificar, a ministra das Finanças lembrou por diversas vezes que apenas a ADSE é um sistema excedentário e que tanto a SAD como a ADM continuam a ser deficitárias, mesmo com o aumento dos descontos.

A ministra não respondeu às questões colocadas pelo PSD e pelo CDS quanto à possibilidade de representantes dos trabalhadores e dos pensionistas passarem a ter um papel mais activo na gestão da ADSE. Embora na intervenção inicial tenha manifestado abertura para “realizar um estudo actuarial que permita determinar com rigor as necessidades em termos de auto-sustentabilidade dos três subsistemas e, em função destas conclusões, introduzir eventuais ajustamentos que se revelem necessários”.

Fonte: publico.pt

Outras notícias