11/12/2019
10:27:38
SinalTV - Canal MEO 500520
25-11-2014
Economia

Mais pessoas recebem apoio social depois de esgotarem subsídio

Mais pessoas recebem apoio social depois de esgotarem subsídio

Ao todo, a Segurança Social paga menos prestações, mas há mais pessoas que, depois de esgotarem o subsídio, continuam em situação de fragilidade.

Há mais pessoas que, depois de esgotarem o subsídio de desemprego, transitam para o apoio social por viverem em agregados de rendimentos baixos. Os dados da Segurança Social mostram que o número total de beneficiários de prestações de desemprego tem vindo a cair, mas há mais pessoas que, esgotado o subsídio, mantêm uma situação de fragilidade e continuam a precisar de apoio.

De acordo com os dados recentemente actualizados, em Outubro existiam cerca de 46,5 mil beneficiários de subsídio social subsequente, prestação atribuída a pessoas que esgotam o subsídio de desemprego, continuam afastadas do mercado de trabalho e vivem em agregados familiares de rendimentos muito baixos (ou seja, preenchem a condição de recursos). Comparando com o mesmo mês de 2013, está em causa uma subida de 3,3%. Aliás, só aqui se registam crescimentos homólogos sucessivos (embora cada vez mais lentos), já que têm sido visíveis quebras noutras prestações de desemprego mais representativas.

A prestação mais abrangente continua a ser o subsídio de desemprego, que, em Outubro, chegava a cerca de 252 mil pessoas, menos 19,3% do que há um ano atrás - o valor está em queda desde finais de 2013. Já o subsídio social inicial, atribuído a pessoas que ainda não descontaram tempo suficiente para aceder ao subsídio de desemprego e que vivem em famílias de baixos rendimentos, era pago a 12,3 mil beneficiários, menos 31,8%. Aqui, a descida homóloga é sentida desde início de 2013.

Por fim, os desempregados ainda podem ter direito ao prolongamento do subsídio social: neste caso, o número de beneficiários tem vindo a aumentar recentemente mas esta prestação é pouco significativa (39 pessoas em Outubro). Ao todo, o universo de beneficiários de prestações de desemprego sofreu uma quebra que ronda os 17% em Outubro, comparando com o mesmo mês de 2013. Aliás, o desemprego também tem vindo a recuar desde o ano passado. Mas uma análise mais fina aos dados da Segurança Social permite perceber comportamentos diferentes entre os vários tipos de prestação. Já se a comparação for mensal, o número de beneficiários tem vindo a cair nas várias prestações mais representativas, mas esta análise está prejudicada de sazonalidade.

Fonte: Económico

Outras notícias