08/12/2019
09:31:57
SinalTV - Canal MEO 500520
17-01-2019
Sociedade

Limpeza de terrenos obrigatória em mais de 80 freguesias do Alto Tâmega

Limpeza de terrenos obrigatória em mais de 80 freguesias do Alto Tâmega

O Governo divulgou, esta quinta feira, em Diário da República a listagem das freguesias classificadas de 1ª e 2ª prioridade no que respeita, à limpeza de matas, terrenos e florestas. Só no Alto Tâmega foram classificadas como prioritárias mais de 80 freguesias.

No total, o Governo apontou como prioritárias ações de limpeza em mais de oito mil aldeias de 1,142 freguesias, integradas em 190 municípios. No Alto Tâmega, e na lista divulgada esta quinta feira em Diário da República, 84 freguesias foram classificadas de 1ª e 2ª prioridade.

Em Boticas nove freguesias foram classificadas de 1ª prioridade e uma de segunda. No concelho de Chaves 17 aldeias foram definidas pelo Instituito da Conservação da Natureza e da Floresta de 1ª prioridade e cinco classificadas como 2ª prioridade para limpeza de combustível.

22 é o número de freguesias no concelho de Montalegre que necessitam de reforço na limpeza de matas (19 de 1ª prioridade e três de 2ª prioridade). Ribeira de Pena é o concelho com menor número de freguesias prioritárias (três de 1º prioridade e duas de segunda). No concelho de Valpaços nove freguesias foram atribuídas pelo ICNF como prioritárias nível 1 e duas como 2º prioridade. Por último, Vila Pouca de Aguiar tem 14 freguesias prioritárias (10- 1ª prioridade e 4 2º prioridade).

O Despacho publicado determina que a fiscalização da limpeza de terrenos confinantes a edificações (numa faixa 50 metros), aglomerados populacionais e áreas industriais (numa faixa de 100 metros) se efetue entre os dias 1 de abril e 31 de maio deste ano.

O Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, sublinha que “é muito importante persistir no esforço de limpeza da floresta, pois só um trabalho continuado pode reduzir o risco de grandes incêndios em Portugal”.

Miguel Freitas reconhece que “no ano anterior houve uma forte adesão por parte dos proprietários e dos municípios às operações de limpeza”, mas “este ano é preciso reforçar a atitude preventiva, consolidando, ano após ano, os trabalhos de gestão de combustíveis”.

Consulte aqui o Despacho: http://chrome-extension://oemmndcbldboiebfnladdacbdfmadadm/https://dre.pt/application/conteudo/117928012

Fotografia: Diário da República

Redação com Lusa

Outras notícias