16/10/2021
00:24:36
SinalTV - Canal MEO 500520
31-12-2014
Sociedade

Em 2015, vai pagar mais pela luz, combustíveis e telecomunicacões

Em 2015, vai pagar mais pela luz, combustíveis e telecomunicacões
Na área da saúde, transportes e portagens os preços mantém-se ou, então, sofrem descidas A luz, os combustíveis, o IMI e as telecomunicações ficam mais caros em 2015. 


A conta da electricidade aumenta 3,3%, o que representa, numa factura média de 35 euros, mais 1,14 euros. 

Em contrapartida à descida dos preços dos combustíveis dos últimos meses, a gasolina vai subir cerca de cinco cêntimos por litro e o gasóleo cerca de 6,5 cêntimos, devido às novas medidas da fiscalidade verde. 

Pacotes de TV cabo, internet, telefone e telemóvel sobem 3% e a água vai também ficar mais cara, embora apenas em algumas zonas do país. Em Lisboa, sobre cerca de 70 cêntimos na factura mensal e no Grande Porto aumenta 39 cêntimos. Águas do Oeste, Centro Alentejo e Norte Alentejano baixam as tarifas em valores situados entre dois e três euros por mês. 

O IMI aumenta para a maior parte dos proprietários que ainda não tiveram actualização do imposto e desaparece a cláusula de salvaguarda criada em 2011. Para compensar, o Orçamento do Estado alarga as isenções. 

Ir ao supermercado também vai ficar mais caro. Não aumentam todos os produtos, mas o saco de plástico das compras passa a custar 10 cêntimos. 

Nem tudo são más notícias 
Pelo menos na saúde, transportes e portagens os preços não sobem, embora também não desçam ou, num caso ou noutro, possam registar uma baixa residual.

As consultas no centro de saúde vão custar o mesmo que este ano e uma ida à urgência de um hospital desce simbolicamente: cinco cêntimos. 

O preço dos transportes públicos também não aumenta e o mesmo acontece nas portagens das auto-estradas, o que se repete pelo segundo ano consecutivo. 

O preço do pão vão manter-se. Os representantes do sector dizem que ainda não há condições para subir o custo de um dos bens mais elementares na alimentação dos portugueses.

Fonte: Renascença

Outras notícias