22/09/2020
01:16:43
SinalTV - Canal MEO 500520
24-04-2014
Economia

Défice até março abaixo do limite da troika

Défice até março abaixo do limite da troika
O défice das Administrações Públicas foi de 825 milhões de euros no primeiro trimestre, ficando 875 milhões abaixo do limite
Portugal cumpriu o limite para o défice orçamental estabelecido no Programa de Ajustamento Económico e Financeiro para o primeiro trimestre, segundo os dados da execução orçamental até março, avançados pelo Ministério das Finanças.

O saldo negativo das contas públicas relevante para a avaliação da troika foi de 825 milhões de euros, ficando 875 milhões abaixo do limite de 1700 milhões fixado até março. "Este resultado representa uma melhoria de cerca de 525 milhões face a igual período de 2013", salienta o Ministério das Finanças em comunicado.

Apesar das despesas com pessoal terem diminuido 3,7%, como resultado dos cortes alargados nos salários dos funcionários públicos previstos no Orçamento do Estado para este ano, a depesa da Administração Central continuou a aumentar nos primeiros três meses de 2014. O incremento, até março, foi de 2% em relação a igual período de 2013. Uma evolução que o Ministério das Finanças explica, "maioritariamente pela evolução dos juros e outros encargos e transferências".

Contudo, a receita fiscal líquida acumulada do Estado apresentou um "aumento expressivo" de 366,8 milhões de euros, contribuindo de forma decisiva para a melhoria do saldo das contas públicas. Em três meses entraram nos cofres do Estado 8463,2 milhões de euros.

O aumento da receita fiscal corresponde a um crescimento de 4,5% em termos homólogos, superando o objetivo inscrito no Orçamento do Estado para 2014, e "consolidando a tendência de forte crescimento da receita fiscal iniciada ainda em 2013", salientam as Finanças.

A receita líquida acumulada dos impostos diretos cresceu 7,8% em termos homólogos. Já nos impostos indiretos o aumento foi de 2,2%, destacando-se  o IVA (2,4%), o Imposto sobre Veículos (36,2%) e o Imposto Único de Circulação (26%). 

Fonte: Expresso

Outras notícias